UGT UGT

Filiado à:


Filiado Filiado 2
Home | Artigos | Dia Internacional da Mulher: comemoração e luta constante
Home | Artigos | Dia Internacional da Mulher: comemoração e luta constante

ARTIGOS

Regina Pessoti Zagretti
Secretária Nacional da Mulher da UGT e Presidente do Sincomerciários de Ribeirão Preto


Dia Internacional da Mulher: comemoração e luta constante


02/03/2020

Dia 08 de março. Cada vez mais a sociedade entende que não é dia de ofertar às mulheres flores, bombons e belas mensagens. Tais agrados são bem-vindos em outras comemorações pessoais.

 

Não podemos é perder de vista o significado sociopolítico do dia, evitando que esse tributo à mulher se reduza a um momento de afago. O dia, afinal, simboliza lutas por pertencimento,  pelo respeito à dignidade da mulher, pelo seu empoderamento nos espaços do mndo social, econômico e político e, por incrível que possa parecer, no doméstico.

 

A busca pela igualdade de gênero constitui uma das principais pautas do mundo contemporâneo, permeando inúmeras outras. O dia deve ser marcado com a promoção de ações de valorização e de afirmação das reivindicações femininas. São inúmeras personalidades famosas, institutos, programas e organizações que visam a valorização do sexo feminino nos mais diversos aspectos  priorizando e almejando uma sociedade igualitária, sem preconceitos ou misoginia. 

 

A presença da mulher no mercado de trabalho já atinge expressivos 7 milhões e representam o maior contingente de força de trabalho no segmento do comércio, ou seja, é a principal ocupação das mulheres brasileiras.  Ribeirão Preto reflete o que ocorre no país, com uma taxa de participação feminina em torno de 60%.

 

A realidade do mercado mostra que as relações de trabalho, quando existem, estão cada vez mais precárias e os direitos das trabalhadoras, mais escassos. A mulher trabalha mais, estuda mais e ganha menos do que o homem, combinando trabalhos remunerados, afazeres domésticos e cuida dos de pessoas. Ganham, em média, 76,5% do rendimento dos homens, segundo o estudo de Estatísticas de Gênero(jun/2018), divulgado pelo IBGE. São 54,4 horas semanais, contra 51,4 dos homens. 

 

Além dessas desigualdades, estamos ainda expostas a violências inerentes ao mercado de trabalho, como os assédios moral e sexual. A grande maioria se cala, por medo de perder o emprego e pelo processo de culpabilização social, reflexo de uma sociedade patriarcal e machista. Essa violência traz consequências gravíssimas, como implicações psicológicas que podem levar à depressão e  até ao suicídio.  O fim dessa conduta passa pela visibilidade do problema, pela promoção de políticas públicas para coibir e também pela punição efetiva do assediador.

 

Há muito por fazer e nossa luta é contínua. Que juntas, sigamos construindo a vida que queremos e merecemos viver. Um combativo 8 de março à todas trabalhadoras brasileiras!

 




logo

UGT - União Geral dos Trabalhadores


Rua Aguiar de Barros, 144 - Bela Vista - São Paulo/SP - 01316-020 - Tel.: (11) 2111-7300
© 2013 Todos os direitos reservados.