UGT UGT

Filiado à:


Filiado Filiado 2
Home | UGT Press | UGT Press 611: Cuba, mais do mesmo
Home | UGT Press | UGT Press 611: Cuba, mais do mesmo

UGT Press

UGT Press 611: Cuba, mais do mesmo


27/04/2018

MIGUEL DÍAZ-CANEL: provavelmente, você vai ouvir falar bastante o nome de Miguel Díaz-Canel. Ele assume hoje, dia 19 de abril, o governo cubano, o que em termos políticos significa ser o “Presidente dos Conselhos de Estado e de Ministros da República de Cuba”. Antes, este cargo era acompanhado de “secretário-geral do Partido Comunista Cubano – PC”, mas isso não será possível já que Raul Castro vai manter-se no PC até 2021 junto com outros medalhões do partido e, ao menos por enquanto, tudo indica que controlará a política e as forças armadas do país. Cuba é uma ilha centro-americana e caribenha (há outras pequenas ilhas que fazem parte do território cubano), com área de cerca de 110 mil quilômetros quadrados, onde moram aproximadamente 11,5 milhões de pessoas. A capital é Havana.

 

CASTRO, O SOBRENOME: há quase 60 anos, depois da saída do poder de Fulgêncio Batista, em 1959, o sobrenome Castro (primeiro Fidel e depois Raul) sairá da “primeira lista”, supõe-se, definitivamente. À época da Revolução Castrista, o novo presidente não era nascido. Díaz-Canel nasceu em 20 de abril de 1960 e assumirá o governo na véspera de seu aniversário de 58 anos. Não se esperam grandes mudanças e a maioria dos observadores apostam num estilo reservado, com pouco exibicionismo. Díaz-Canel, segundo a maioria de seus biógrafos, é um homem discreto, porém mais liberal.

MAIS DO MESMO: a revista inglesa “The Economist” disse que “Díaz-Canel não será mais amigável com os críticos ou com os EUA do que foram os Castro. Ninguém acredita que ele permitirá o surgimento de partidos de oposição ou liberará a imprensa. Uma esperança mais plausível é que Díaz-Canel siga o exemplo de China e Vietnã que abriram o mercado e permitiram aos cidadãos enriquecerem, mas mantiveram o controle político. Mas talvez nem isso aconteça. Por mais atraente que seja, muitos temem que uma abertura econômica transforme Cuba em fornecedora de produtos baratos para americanos ricos” (Estadão, 15-04). Pelo sim ou pelo não, de qualquer forma ainda vai passar muita água debaixo da ponte. Nada em Cuba é para já.

 

MOMENTO DIFERENTE: o momento em que assume Díaz-Canel é substancialmente diferente, com a política tomando ares de direita em quase toda a América Latina, inclusive no Brasil. As dificuldades econômicas do novo presidente serão muitas: a agricultura e a indústria não atendem à demanda dos cubanos, falta moeda estrangeira e há carência de produtos básicos. Com esse quadro, é impossível não pensar em reformas e o próprio Raul Castro defendeu a “reforma monetária “, o que pode ser um remédio amargo. Resta esperar pelos primeiros movimentos do próximo presidente, sabendo que ele tem atrás de si os olhos atentos de Raul Castro. 




logo

UGT - União Geral dos Trabalhadores


Rua Aguiar de Barros, 144 - Bela Vista - São Paulo/SP - 01316-020 - Tel.: (11) 2111-7300
© 2013 Todos os direitos reservados.