UGT UGT

Filiado à:


Filiado Filiado 2
Home | Notícias
Home | Notícias

NOTÍCIAS

Petrobras reajusta gás de botijão em 6,7%; preço será revisado todo mês


08/06/2017

A Petrobras anunciou nesta quarta-feira (7) uma nova política de preços para o gás de botijão, que passará a ser reajustado mensalmente, assim como já funciona com a gasolina e o diesel desde o fim de 2016.

 

Neste mês, o preço do produto repassado às distribuidoras subirá 6,7%.

 

O reajuste vale apenas para botijões de 13 quilos, os mais populares. Segundo a estatal, se o repasse for integral, o aumento para o consumidor será de 2,2%, ou R$ 1,25 por botijão.

 

O último reajuste promovido pela estatal no preço deste combustível foi realizado no dia 21 de março, quando o valor cobrado nas refinarias subiu 9,8%.

 

A nova política de preços para o gás de cozinha institui uma fórmula que considera as cotações europeias do butano e do propano –gases obtidos a partir do refino de petróleo que compõem a fórmula do gás liquefeito de petróleo (GLP, o nome técnico do gás de cozinha).

 

Sobre esse valor, será aplicada uma margem de 5%. Os reajustes serão automáticos e realizados no dia 5 de cada mês.

 

Com isso, a Petrobras reduz os riscos de retorno à política de subsídios para o combustível, que passou a vigorar em 2003, no primeiro mandato do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

 

Na época, o governo decidiu que o preço do gás vendido em botijões de 13 quilos seria congelado e teria uma política diferente da praticada para as vendas do combustível em outros vasilhames –geralmente usados por comércio e indústria.

 

A política foi oficializada em resolução do CNPE (Conselho Nacional de Política Energética) em 2005, que prevê "preços diferenciados e inferiores" para o gás vendido em botijões de 13 quilos.

 

O presidente da Petrobras, Pedro Parente, defendeu que, apesar da mudança, a empresa continua seguindo a determinação do CNPE: segundo ele, a definição de preço para outros vasilhames considera a paridade de importação (que representa a soma da cotação internacional aos custos de importação do produto); já para 13 quilos, não são contabilizados os custos de importação.

 

Segundo cálculos do Sindicato das Empresas Distribuidoras de Gás Liquefeito de Petróleo (Sindigás), após o reajuste desta quarta, o preço do gás vendido em botijões de 13 quilos ainda ficará 15% abaixo da paridade internacional e 45% a 50% abaixo do valor cobrado pelo combustível para venda em outros vasilhames.

 

A entidade avaliou a mudança como positiva, mas diz que a diferença de preços para o produto vendido para indústrias "penaliza setores que atravessam momento de grave crise econômica".

 

Parente evitou comentários sobre as perdas da empresa durante o período de subsídios. "Estamos olhando para a frente", disse.

 

PREVISIBILIDADE

 

Embora negue relação da medida com o processo de venda de ativos da estatal, Parente admite que a nova política de preços ajuda a buscar sócios para as refinarias da empresa, ao dar maior previsibilidade e clareza sobre as receitas futuras.

 

"O principal motivador é o fato de ser o único derivado para o qual não tínhamos uma política de preços. Mas contribui para que os futuros parceiros tenham clareza maior [sobre o investimento em refinarias]", afirmou, em entrevista para detalhar as mudanças.

 

O executivo ressaltou, porém, que a empresa ainda não definiu um modelo de venda de participações em suas refinarias.

 

"Esperamos tê-lo em breve. Já anunciamos que queremos ter, em outras áreas da empresa, os imensos benefícios que temos com as parcerias na área de exploração e produção", comentou.

 

O plano de negócios da Petrobras prevê vendas de US$ 21 bilhões até o final de 2018.

 

GASOLINA

 

O presidente da Petrobras voltou a dizer que a empresa está revisando sua política de preços para gasolina e diesel, implantada em outubro de 2016, o que pode resultar na aplicação de ajustes mais frequentes —atualmente, a empresa tem optado por uma mudança por mês.

 

"A conclusão é que esta periodicidade não lida muito bem com a volatilidade no mercado internacional", disse.

 

Da última vez em que a empresa realizou reajustes com frequência maior do que mensal foi durante o último ano do governo Fernando Henrique, quando Francisco Gros presidia a estatal.

 

A política, porém, não durou muito tempo: foi abortada após críticas do então candidato à presidência José Serra (PSDB), para quem os seguidos anúncios de aumento de preços interferiam na campanha eleitoral.

 

Fonte: Folha de SP

 


Categorizado em: Geral,


logo

UGT - União Geral dos Trabalhadores


Rua Aguiar de Barros, 144 - Bela Vista - São Paulo/SP - 01316-020 - Tel.: (11) 2111-7300
© 2013 Todos os direitos reservados.