UGT UGT

Filiado à:


Filiado Filiado 2
Home | Notícias
Home | Notícias

NOTÍCIAS

Com pressão do centrão, Temer tira cargos de infiéis do PMDB


11/08/2017

Com a pressão de partidos do centrão, o presidente Michel Temer fará a partir da próxima semana trocas em cargos ocupados por apadrinhados de deputados federais do PMDB que votaram a favor do prosseguimento da denúncia por corrupção passiva.

 

O Palácio do Planalto deve retaliar Celso Pansera (RJ), Laura Carneiro (RJ), Veneziano do Rêgo (PB) e Vitor Valim (CE). Os cargos serão distribuídos regionalmente, ou seja, a parlamentares do centrão que votaram a favor do presidente e são dos mesmos Estados dos infiéis.

 

O esforço do peemedebista é, assim, tentar reorganizar a base aliada para uma nova denúncia que deverá ser apresentada até o início de setembro pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot, desta vez por obstrução judicial.

 

O presidente também quer apaziguar os ânimos dos partidos do centrão, que ameaçam impor derrota ao Palácio do Planalto na pauta econômica, como a medida provisória do Refis, cuja expectativa é de que gere R$ 13 milhões.

 

Nesta quinta-feira (10), a Executiva Nacional do PMDB também suspendeu por 60 dias os parlamentares do partido que votaram a favor da denúncia. O partido havia fechado questão em votar favoravelmente ao presidente.

 

A sigla encaminhou um ofício ao TSE (Tribunal Superior Eleitoral) e à secretaria-geral da mesa da Câmara comunicando a decisão.

 

Na semana que vem, o Palácio do Planalto também deve acelerar as trocas no segundo e terceiro escalões em outros partidos da base aliada. O peemedebista analisa um mapa de votação preparado pela liderança do governo na Câmara dos Deputados que mostra vinte traições de última hora.

 

Na lista, estão, por exemplo, Sérgio Reis (PRB-SP) e César Halum (PRB-TO). O presidente ainda não definiu se também tirará cargos do PSDB, partido considerado o principal fiador do governo e que atualmente está dividido sobre o apoio ao presidente.

 

REAÇÕES

 

A liderança do PMDB na Câmara deve definir na próxima semana se os parlamentares suspensos serão retirados de relatorias ou de comissões em que representam o partido. Parlamentares atingidos pelo ato reagiram ao posicionamento do presidente nacional, senador Romero Jucá (RR).

 

Valim disse ter sido pego de surpresa com a decisão e disse ser uma "ironia" o ato vir de Jucá. "Na política, a minha história é completamente diferente da dele. Eu mantenho a minha coerência do lado do povo trabalhador. Ele mantém a coerência dele do lado de governo" disse, afirmando estar de "consciência tranquila" por ter tomado uma decisão "correta e coerente" com o que pensa.

 

"É de ficar perplexo figuras como Romero Jucá ficarem exigindo de alguém alguma coisa. Mas é isso mesmo", afirmou.

 

Já Sergio Szveiter (RJ), autor do relatório que recomendava o prosseguimento da denúncia de Temer, disse que a decisão, da qual também é alvo, é "ridícula e covarde". "Um partido que usa o expediente inescrupuloso de distribuição de emendas parlamentares, cargos e de ameaças de punição ao direito democrático do parlamentar votar não tem autoridade moral de punir quem quer que seja", disse.

 

Apesar de ter sido suspenso pelo PMDB, o deputado fluminense não será afetado pelo ato do governo por não possuir nenhum cargo. "Não sou de frequentar o Palácio [do Planalto] de pires na mão e não tenho cargo na liderança no PMDB da Câmara. Tal suspensão em nada me afetará", disse.

 

Para Jarbas Vasconcelos (PE), a punição é "esdrúxula" e algo "completamente sem sentido". Na opinião dele, a iniciativa reforça avaliação de que é "fraca" e "despreparada" a atual direção nacional do PMDB.

 

"Ao longo de toda a minha trajetória dentro do partido, nunca vi algo parecido. O respeito às ideias e posicionamentos é algo fundamental e o caminho pelo qual está seguindo hoje o PMDB ignora completamente essa condição", disse.

 

Fonte: Folha

 


Categorizado em: Geral,


logo

UGT - União Geral dos Trabalhadores


Rua Aguiar de Barros, 144 - Bela Vista - São Paulo/SP - 01316-020 - Tel.: (11) 2111-7300
© 2013 Todos os direitos reservados.