UGT UGT

Filiado à:


Filiado Filiado 2
Home | Notícias
Home | Notícias

NOTÍCIAS

Governo intensifica pressão para aprovar reforma da Previdência


06/12/2017

O presidente Michel Temer intensificou a pressão sobre a base aliada na Câmara com o discurso de que o cenário mudou e é favorável para a votação da reforma da Previdência. No entanto, ainda há resistência de aliados para votar a PEC (Proposta de Emenda à Constituição) neste ano.

 

Esta quarta-feira (6) é tida pelo governo como o "dia D" da reforma. Temer reunirá líderes para ter um raio-X mais realista sobre as intenções de voto dos deputados. Há também uma série de encontros em diferentes partidos para que a reforma seja debatida.

 

Para tentar provocar um efeito pró-reforma em outras legendas, a bancada do PMDB encaminhou à cúpula da sigla um pedido para "fechar a questão" –ou seja, determinar que todos os deputados do partido votem a favor, estabelecendo, para quem não seguir a decisão, punições que podem incluir até a expulsão.

 

Temer telefonou ao presidente nacional do PMDB, senador Romero Jucá (Roraima), e pediu que marque reunião da executiva nacional do partido o mais rápido possível para discutir o fechamento de questão.

 

RESISTÊNCIA

 

Apesar da mobilização, siglas governistas como PSD, PP, PR, DEM e PRB manifestaram –alguns até publicamente– posição contrária a fechar questão pela reforma. O PSDB, por exemplo, discute nesta quarta o assunto, que encontra resistências.

 

Temer falou nesta terça-feira (5) que só pedirá que a reforma previdenciária vá para o plenário da Câmara quando houver votos suficientes para aprová-la.

 

Ele afirmou acreditar que o clima pessimista sobre a aprovação da proposta neste ano mudou e que é possível conseguir apoio para votá-la neste mês no plenário.

 

Os últimos cálculos feitos pelo Planalto, no entanto, apontam um placar de 266 votos, número inferior aos 308 necessários para aprovar uma proposta de emenda constitucional.

 

SENADO

 

"Nós estamos conversando muito. Eu falei há pouco com o presidente Eunício Oliveira [Senado] e ele está entusiasmado em votar em fevereiro se aprovar agora [na Câmara]. Evidentemente, temos de ver se tem votos. Se não tem votos, não faz sentido [votar]", disse.

 

O presidente falou com jornalistas no almoço em homenagem ao presidente da Bolívia, Evo Morales, no Palácio do Itamaraty.

 

A partir do mapeamento dos encontros desta quarta, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), decidirá se pautará ou não a votação para semana que vem.

 

"Não marquei nada sobre o início da discussão. Só saberemos se tem voto para levar a reforma ao plenário depois das reuniões com os líderes", disse o presidente da Câmara à Folha.

 

Ele, porém, defendeu que a reforma seja votada ainda neste ano. "Sem a reforma da Previdência, nós podemos ter um 2018 muito ruim e um 2019 péssimo", disse.

 

Já o relator da proposta, Arthur Maia (PPS-BA), vai na contramão do discurso de ambos. Ele disse ser a favor de colocar a proposta na pauta da Casa mesmo que o placar esteja apertado.

 

Apesar do discurso de euforia adotado por Temer e outros aliados, governistas admitem nos bastidores que ainda não há razão para cantar vitória. 

 

Fonte: Folha de SP


Categorizado em: Geral,


logo

UGT - União Geral dos Trabalhadores


Rua Aguiar de Barros, 144 - Bela Vista - São Paulo/SP - 01316-020 - Tel.: (11) 2111-7300
© 2013 Todos os direitos reservados.