UGT UGT

Filiado à:


Filiado Filiado 2

ARTIGOS

Enilson Simões de Moura
Vice-presidente da União Geral dos Trabalhadores


Caso Genivaldo e a porteira que se abriu


30/05/2022

Quando o ministro Ricardo Salles sugeriu que se aproveitasse a pandemia para “passar a boiada” não poderia ter sido mais assertivo. O governo seguiu a recomendação à risca nas mais diversas áreas: educação, saúde, meio ambiente, terras indígenas, direitos humanos, cultura.

No caso específico dos direitos humanos esse ataque não é de hoje, reconheça-se. Figuras como Datena e seus clones bombardeiam diariamente com cenas de violência justamente aqueles que são as maiores vítimas da ausência desses direitos e se transformam em seus piores algozes. A maior violência é aquela estrategicamente pensada para que o Estado se faça ausente onde deveria estar mais presente.

No caso brasileiro, as populações mais vulneráveis como os negros, os pobres, os LGBTQIA+, os povos originários, não raras vezes se sentem como “apátridas” em seu próprio país. Entendamos o termo como se referindo a pessoas deslocadas que passaram a ser ignoradas como um problema político. Apesar de pertencerem a uma comunidade são considerados sem a devida dimensão política e sem um lugar no mundo onde possam ter suas opiniões levadas em conta e perdem seus direitos de cidadãos. 

O que vimos no abominável caso Genivaldo é representativo desse momento que vivemos no qual qualquer direito dos mais indefesos é visto como privilégio em uma absurda inversão de valores. 

Foi um assassinato! Um assassinato cruel e injustificado, mas perfeitamente dentro da tragédia que tem como autor maior o inominável Presidente da República. 

As falas do presidente fazem efeito junto aos seus comparsas, incluindo aí o comandante da Polícia Rodoviária de Sergipe que deu um show de cinismo em suas declarações minimizando o ato criminoso. 

Saliente-se que a Polícia Rodoviária Federal retirou de sua formação a disciplina sobre Direitos Humanos que abordava temas como proteção de crianças e adolescentes, violência sexual, trabalho infantil, tráfico de pessoas, machismo dentro da corporação e também a brutalidade policial. Em seu lugar entraram temas como \"uso legal e progressivo da força\" e \"direitos humanos com enfoque no trabalho policial\", um eufemismo para o jargão “direitos humanos para humanos direitos” tão utilizado pela ultradireita.

Ainda no começo de maio, o diretor-geral da PRF,  Silvinei Marques, como reles sabujo nefando de Bozonaro, revogou o funcionamento e as competências de Comissões de Direitos Humanos dentro da polícia rodoviária. Essas comissões também tinham o papel de orientação educacional dos agentes a respeito do tema.

A porteira que se abriu foi como se fosse uma Caixa da Pandora e toda sorte de tragédias se soltaram, mas, assim, como na caixa, termos uma esperança nas próximas eleições. Que ela vença o medo e que consigamos fechar essa porteira deixando para trás uma triste página de nossa história. 




logo

UGT - União Geral dos Trabalhadores


Rua Formosa, 367 - 4º andar - Centro - São Paulo/SP - 01049-911 - Tel.: (11) 2111-7300
© 2021 Todos os direitos reservados.